08 junho 2009

João Rock fazendo pensar...

Bom, não é mesmo uma descrição... João Rock foi neste sabado, e como previsto, os shows da Pitty e J Quest foram foda. O d'O Rappa também deve ter sido, mas eu perdi. É claro que a coisa toda foi demais, mas você pode encontrar relatos pelo mundo inteiro. Não é por isso que eu vim aqui hoje.
Eu vim pra falar mais da minha vida, estranha, porque tudo parece igual. Explicando: Ano passado, neste mesmicemo evento, eu e minhas amigas conhecemos um casal, primos, que estavam por ali. quando você fica no mesmo lugar a noite interia com um grupo de estranhos, vc acaba converssando com eles. É normal. Comum, até. Nos trocamos e-mails, pra nos comunicar-nos depois. Eu nunca recebi um e-mail. Eu nem lembrava direito deles.
Nós ficamos num lugar na frente, mas à direita do palco, ano passado. Esse ano, nós ficamos num lugar bem melhor. Na frente do palco, quase na grade. Claro que não chegamos direto lá. Enquanto a gente atravessava a multidão, minha irmã viu um cara, que também estava tentando ir lá pra frente. E ela olhou pra ele e disse "Não é o cara do 'Quem vai queimar'(No show da Pitty do ano passado, ele gritava em cada intervalo pra ela cantar essa música)?" A prima dele, J., estava mais a frente. Doida no show da Pitty, claro.
Quem, dentre mais de mil pessoas, vai encontrar, em lugares totalmente diferentes, as mesmas pessoas? Qual é a probabilidade de isto acontecer? Dessa vêz, eu fiquei com o e-mail da J..
Se você leu meu último post, Camila, sabe que eu encontrei do nada minha melhor amiga de infancia (alias, ainda não tomei coragem de falar com a dita), e essa coisa de achar pessoas que vieram e se foram da minha vida está começando a me deixar paranoica.
Quero dizer, e se isso for importante? E se fizer parte do meu destino, ou eu posso estar tendo algum momento beta esquizito, ou um teste, ou alguma oportunidade que eu ainda não posso ver?
Quer dizer, se você acredita nesse tipo de coisa, pode ter uma ligação, não, não é? Sem querer viajar muito, mas isso poderia mudar a minha vida, se eu soubesse do que se trata... Ou não?
E como é que eu vou saber? Como eu vou descobrir? Acho que estou perdida, em muitos sentidos...