13 dezembro 2010

Dezessete anos - Parabens para mim!


Estou feliz de estar postando esse post agora, ao invés de 24 horas atrás, porque eu editei tudo e cortei um monte de merda. 

Eu sei que é bobagem, mas de alguma forma, 17 parece ser muuuuito mais do que 16. Paranóia minha, mas é como se eu tivesse mudado completamente de faixa etária, e estivesse muito mais próxima do mundo dos adultos do que na semana passada. Como se eu nem fosse uma adolescente mais. 

Isso meio que cria um monte de dúvidas na minha cabeça a respeito do meu suposto fracasso como rebelde sem causa. Eu não enchi a cara até cair no chão. Eu não fugi de casa as sete horas da manha do dia errado. Não tive meu tão sonhado cabelo verde, ou uma tatuagem secreta horrível pra eu me arrepender pro resto da vida. Eu não perdi a virgindade com um estranho num bar, nem fui iludida por um falso "amor da minha vida", nem troquei ela por entradas de show, nem nada de legal que possa ser feito com virgindades em geral... Meu grande amor foi platônico. 

Não cometi nenhuma barbaridade nem fiz nenhuma loucura, salvo aquelas de um tempo tão longínquo que eu nem me considerava adolescente ainda. 

Não mudou nada de ante-ontem pra hoje, mas eu me sinto uma verdadeira anciã. Me sinto como se agora, aos 17, eu não pudesse mais fazer nada disso. Estou me dirigindo para o grande e temido ano do vestibular, ano em que as pessoas tem que ficar em casa e estudar, e fazer as coisas direito. No ano sem diversão. No ano do pesadelo. No ano assexuado. No ano em que sobreviver sem pirar será um desafio. Não é um ano pra se fazer coisas ridículas e correr riscos. É um ano pra ficar bem quietinha.

Só que depois do 17° ano tem algo pior ainda: o 18° ano. 

Aos 18, você não tem tempo pra fazer bobagem. Aos 18, você tem que aprender a dirigir, começar o primeiro ano na faculdade ou então (argh!) cursinho, ou seja o que for que você planejou pra sua vida. O que importa, é que você não pode mais ficar brincando de casinha, pelo menos não se você tem algum amor próprio. É hora de definir o que quer da vida (de verdade) e colocar em prática. É hora de começara se virar, pra comprar seu primeiro carro, e colocar combustível nele. Pra alugar um apartamento minúsculo que será compartilhado por 4 pessoas, e brigar com elas todos os meses quando ameaçarem cortar seu telefone. Você pode conseguir pular algumas dessas fases, se seus pais puderem te ajudar, ou se você estiver na condição privilegiada de ser bem remunerado ainda jovem. Ou você pode morar com seus pais até os 30 anos, a vida é sua. Mas não são esses os meus planos.

De modo que basicamente esse é o último ano cheio de problemas antes de alguns anos com problemas maiores ainda. O que é que eu vou fazer?!

Tá, eu sei que eu sou muito nova pra considerar minha vida acabada, e que uma boa parte desse post foi do mais puro e nobre mimimi. Mas poxa! A vida passa muito rápido! Mal se tem tempo de pensar e o tempo já se foi!

Enfim, novamente, feliz aniversário para mim, feliz aniversário pra minha amiga jú, e feliz aniversário para todos que fazem aniversário hoje, ou que se sentem prematuramente em uma crise de meia-idade. Parabéns para nós!